[:en]Kids: About Sierra Leone and How to introduce emotional Language at Home[:pt]Kids@Serra Leoa: Emoções para que te quero na educação lá em casa[:]

[:en]It’s official, I landed in Sierra Leone to start another project: The research to create an Emotion Kit for parents with the help of children (from 4 corners of the world). The idea is to go around the childrens world (geograficly and emotionaly) in order to ask them and compile what they feel about adults’ concerns and what they would recommend them as solutions to regulate emotions. Adding to their tips, i will also compile my tips on what we can do to make the emotional language progressively introduced into the education of future generations. If we worry about teaching children to brush their teeth, not talking to strangers or saying “thank you” why we shouldnt teach them early on how to deal with frustration, make socially responsible choices, ask for help when they are afraid, to apologize when they hurt someone?

For this reason i have choosen countries, like Sierra Leone, Japan, sueden, Portugal, Russia, São Tomé and Principe…and this is this what i found in Sierra Leone.

Sierra Leone is a very resilient country it has had to reinvent itself over several decades. First with the civil war (between 1991 and 2002), which resulted in the deaths of over 50,000 people and many thousands of refugees in a country with 7 million people. And then, between 2013 and 2015, with the Ebola.

In 1462, Pedro da Sintra, a Portuguese navigator, arrived in the country and gave it the name of Sierra Leone. Some rumors say that the name “Sierra Leone” is due to the fact that this territory, when sighted from the sea have many saws and, moreover, the thundering in the rainy season resembles the roaring of a lioness. Here are known about 16 ethnic groups, each one speaks its dialect. And although the official language is English (the language in which the entire school curriculum is also taught), Krio is what is most heard on the streets of the center and south of the country. Krio´s base is the English, but it gives me great pleasure to hear the expressions “Pikin” (small) or “No Sabi” (I do not know) because it brings me closer to the home.

One of my priorities when landing is to ensure that I have the conditions to start the project: a translator and children from 5 to 10 years old. At the moment I already have children of gangsters in Freetown (in the capital), surfers (in Bureh Beach, and children from the golden mine areas (in Kabala – one of the most remote areas of the country). So im really to proceed.

Here, regardless of the region, age, or marital status, the first question asked is “How Di Bodi?” (How is the body ? in Krio) as a way of greeting who arrives. I loved this question, not only because in fact, if we do not feel good physically, everything else is affected or the other way around, but also by the answers that it originates: “under my clothes” , “bodi fine”,  “Bodi sick … bodi fine..this is Africa” ​​(sick body … good body … this is Africa).

The Interviews always follow the same script and the first question I ask is if the child knows what emotions are. It was with this question that Maray, 10 years old (resident in Kabala) surprised me. Maray began by responding that she knew “more or less” what emotions were. But after the game I do initially, he quickly told me that she had understood. She said it must be what she is feeling in her chest right now. She told me that she was struggling to let her worries pass, because she was preparing for the adult ritual of initiation.

It’s about two weeks with various dances, practices and many other women, that end up with a meeting with a traditional circumciser, a more experienced woman, who will do one-by-one female genital mutilation – FGM. FGM is the removal of part or all of the female external sexual organs – the vaginal lips, the clitoris. It is usually made with a cutting blade, with or without anesthesia. Records of deaths from this practice remain very high, of course. In the EU, records show that 500,000 women are victims or are at risk of this practice. And we are no exception here, there are about 8,000 women in these conditions in Portugal. Eight thousand is also the daily number of girls at risk, which means, read well, at least 300,000 girls per year.

Even though i force my self to withdraw my Western glasses when I changed country, it was impossible not to think about the definition of the World Health Organization: “It is a violation of the human rights of girls and women, it is an extreme violence of discrimination and violence based on sexual gender “.

So I asked her if she was aware about the consequences of this practice, infertility, the impossibility of having any sexual pleasure for the rest of her life and even the life risk. I asked her if she wasnt afraid. And it was at this moment that she replied “Bodi fine. This is my culture … this is Africa … stay quiet because this will pass “(Body is good, this is my culture … this is Africa) Simultaneously she explained to me that this ritual will fulfill the myths in which this practice is based, like the increase of the fertility or the fidelity of the woman.

Concerned that we are still witnessing these realities today, Maray also reinforced me the urgency of fulfilling our responsibility to future generations: to teach them how to identify risky situations, to take responsable decisions (personally and socially),   to provide them the tools to get help and regulate their emotions in order to encrease their well-being. And this, for me, focuses on emotional education.

I recalled from this conversation that emotions are mutable (the same I can not say about FGM, which will leave marks and consequences at various levels for the rest of a woman’s life.)

I checked it in both places, Portugal and Sierra Leone, adults mistakenly assume that children are less able to understand the complexity of the world, even if they have to adapt, react, and develop ideas as quickly as their brain develops and all based on their daily emotional experience.

I have also seen that both Maray’s parents and Portuguese parents rarely spend time introducing emotional education into their family dynamics. What most caregivers do not know is that introducing emotions into children’s education brings another dimension to parenting. The caregiver ceases to be the “super hero” and becomes a Human Being, someone who makes mistakes and recognizes them (apologizing for example, insted of ignoring) someone who values ​​Being and not Doing, that Helps their children to be rational and emotional beings with opinion, able to say “I can not accept this”, “I must fight for that”, “I choose this and not that” and because we are not born taught or came with instruction manual, here are some tips that can help introduce the emotions in education at home:

1. “Give a name”: The greatest frustration of children is to feel that the adult does not understand them, “they should always do everything, without their opinion being taken” for this reason, it is beneficial to transmit the sensation to the child of That we understand their frustrations, their reactions, their sensations. And one way to do it, without much room for error, is to verbalize what is going on, simply repeat what the child is doing, adding a logical reason for what to do. For example, he barks because he does not want to put on his coat: “I know you do not like to put on your coat, but it’s cold and you can get sick”, “I guess it’s frustrating when you do not want to do something that you’re asked for, but it’s important because …. “Another example: the tantrum because it does not want to dinner” I know you do not like to be forced to eat this, but you have to eat to grow … ”

2. Recognize instead of ignoring. Often in the office I have patients in the most fragile phases of their lives, worried that their children will see them crying, tending to hide what is happening. Children are very sensitive and it is important to reinforce this expression, so in this case, it is advisable for the adult to explain what goes on “that is sad…

Please check Visão Magazine Blog for oficial version

If you want to support this Project and the next coutry – Japan in July 2017 – ask how through the email maria.palha@gmail.com

 

 

 

 

 

 

[:pt]O Primeiro Artigo do Blogue da Visão:

É oficial, aterrei na Serra Leoa para dar início a mais um projecto: Criar um Kit de SOS das emoções para pais, com a ajuda de crianças (dos 4 cantos do Mundo). A ideia é dar a volta ao mundo das emoções das crianças de modo a compilar o que sentem sobre as preocupações dos adultos e o que lhes recomendariam como soluções. E só depois, partilhar algumas dicas do que podemos fazer para que a linguagem emocional seja progressivamente introduzida na educação das futuras gerações. Se nos preocupamos em ensinar as crianças a lavar os dentes, a não falarem com estranhos ou a dizerem “obrigado”, porque não lhes ensinamos desde cedo a lidar com a frustração, a fazer escolhas socialmente mais responsáveis, a pedir ajuda quando têm medo, a pedir desculpa quando magoam o outro?

A Serra Leoa é um país muito resiliente, foi obrigado a reinventar-se ao longo de várias décadas. Primeiro com a guerra civil (entre 1991 e 2002), que resultou na morte de mais de 50 mil pessoas e muitos milhares de refugiados num país com 7 milhões de pessoas. E depois, entre 2013 e 2015, o ébola.

Em 1462, Pedro da Sintra, navegador português, chegou ao país e deu-lhe o nome de Serra Leoa. Quer dizer, alguns rumores dizem que o nome “Serra Leoa” se deve ao facto deste território, quando avistado do mar, ter muitas serras e, além disso, o trovejar na época das chuvas se assemelhar ao rugido de uma leoa. Aqui são conhecidos cerca de 16 grupos étnicos, cada um fala o seu dialecto. E embora a língua oficial seja o inglês (língua em que se lecciona também todo o currículo escolar), o Krio é o que mais se ouve nas ruas do centro e sul do país. O Krio deriva do inglês, mas dá-me um enorme prazer ouvir as expressões “Pikin” (pequenos) ou “No Sabi” (não sei), pois aproxima-me a casa.

Uma das minhas prioridades ao aterrar é garantir que tenho condições para começar o projecto: um tradutor e crianças com diferentes características. Neste momento já tenho filhos de gangsters em Freetown (na capital), crianças surfistas (em Bureh Beach, e crianças das zonas das minas de ouro (em Kabala – uma das zonas mais remotas do país).

Aqui, independente da região, idade ou estado civil, a primeira pergunta que é feita é “How Di Bodi?” (Como está o corpo?, em krio) como forma de cumprimentar quem chega. Adorei esta pergunta, não só porque de facto, se não nos sentimos bem fisicamente, tudo o resto fica afectado, mas também pelas respostas que ela origina: “under my clothes“ (de baixo da minha roupa) “bodi fine” (corpo bom) ”bodi sick…bodi fine..this is Africa” (corpo doente…corpo bom…isto é África).

As entrevistas seguem sempre o mesmo guião e a primeira pergunta que faço é se a criança sabe o que são emoções. Foi com esta pergunta que Maray, de 10 anos (residente em Kabala). me surpreendeu.

Maray começou por responder que sabia “mais ou menos” o que eram as emoções. Mas depois da brincadeira que faço inicialmente, rapidamente me disse que já tinha entendido. Disse que devia ser o que sentia no peito naquele momento. Contou-me que se estava a esforçar para deixar que as inquietudes passassem, pois preparava-se para o ritual de iniciação de entrada na vida adulta.

Trata-se de 2 semanas com várias danças, práticas e muitas outras mulheres, que culmina com um encontro com uma circuncisadora tradicional, uma mulher mais experiente, que lhes fará, uma a uma, mutilação genital feminina – MGF. A MGF é a remoção de parte ou de todos os órgãos sexuais externos femininos – os lábios vaginais, o clitóris. Geralmente é feita com uma lâmina de corte, com ou sem anestesia. Os registos de mortes oriundas desta prática continuam a ser muito elevados, claro.

Na UE, os registos mostram que 500 mil mulheres são vítimas ou estão em risco desta prática. E nós por cá não somos excepção, temos cerca de 8 mil mulheres nestas condições. Oito mil é também o número diário de meninas que correm este risco, o que significa, leiam bem, pelo menos 300 mil raparigas por ano. Mesmo que me obrigue a retirar os óculos ocidentais quando mudo de país, foi impossível não pensar na definição da Organização Mundial de Saúde: “É uma violação de direitos humanos de meninas e mulheres, é uma violência extrema de discriminação e violência com base no sexo”.

Por isso, lhe pergunto se conhece as consequências desta prática, da infertilidade, da impossibilidade de ter prazer sexual para o resto da sua vida e até do risco de vida que corre. Se não tem medo. E foi neste momento que ela me respondeu “Bodi fine. This is my culture…this is Africa…stay quiet because this will pass” (Corpo está bom, esta é a minha cultura… isto é África. Manter calma, porque isto vai passar). Simultaneamente explicava-me que este ritual cumprirá os mitos em que esta prática assenta, como o aumento da fertilidade ou a fidelidade da mulher.

Preocupada com o facto de ainda hoje presenciar-mos realidades destas, Maray também me alertou para a urgência de cumprirmos a nossa responsabilidade perante as futuras gerações: ensiná-los a identificar situações que os podem pôr em risco, a tomar decisões pessoal e socialmente mais responsáveis, dar-lhes ferramentas para que consigam pedir ajuda e regular as suas emoções em prol de mais bem-estar. E isto, para mim, centra-se na educação emocional.

Relembrei com esta conversa que as emoções são mutáveis (o mesmo não posso dizer de uma MGF, que deixará marcas e consequências a vários níveis para o resto da vida de uma mulher. Acredito que esta conversa foi o motor de arranque para os artigos que vou publicar ao longo dos próximos meses.

Verifiquei que em ambos os lugares. Portugal e Serra Leoa, os adultos assumem erradamente que as crianças são menos capazes de entender a complexidade do mundo, mesmo que elas tenham que se adaptar, reagir e desenvolver ideias com a mesma rapidez que o seu cérebro se desenvolve e tudo isto com base na sua experiência emocional diária.

Também vi, que tanto os pais de Maray, como os pais portugueses, raramente dedicam tempo a introduzir a educação emocional nas suas dinâmicas familiares. O que a maioria dos cuidadores desconhecem é que introduzir as emoções na educação das crianças traz outra dimensão à parentalidade. O cuidador deixa de ser “alguém inatingível” e passa a Ser Humano, alguém que comete erros e os reconhece (pedindo desculpa por exemplo, em vez de disfarçar ou ignorar), alguém que valoriza o Ser e não o Fazer (os resultados) que ajuda os seus filhos a serem seres racionais e emocionais, com opinião, com capacidade de dizer “eu não posso aceitar isto”, “eu devo lutar por aquilo”, “eu escolho isto e não aquilo”

Pois bem, e como não nascemos ensinados, nem vimos com manual de instruções, aqui ficam algumas dicas que podem ajudar a introduzir as emoções na educação lá de casa:

1. “Dar um nome”: A maior frustração das crianças é sentirem que o adulto não os entende, “devem sempre fazer tudo, sem que a sua opinião seja tida em conta” por esta razão, é benéfico transmitir a sensação à criança de que entendemos as suas frustrações, as suas reacções, as suas sensações. E uma das formas de o fazer, sem grande margem de erro, é verbalizar o que se está a passar, repetir simplesmente o que a criança está a fazer, acrescentando uma razão lógica para o que deve fazer. Por exemplo, birra porque não quer pôr o casaco: “eu sei que não gostas de pôr o casaco, mas está frio e podes ficar doente”, “Imagino que seja frustrante quando não queres fazer uma coisa que te pedem, mas é importante porque….”. Outro exemplo: a birra porque não quer jantar “sei que não gostas que te obriguem a comer isto, mas tens que comer para crescer…”

2. Reconhecer o que se está a passar, em vez de ignorar. Frequentemente em consultório tenho pacientes em fases mais frágeis das suas vidas, preocupados com o facto de os seus filhos os verem a chorar, tendendo a esconder o que se passa. As crianças são muito sensiveis e é importante reforçar esta expressão, por isso, neste casos, é aconselhável que o adulto explique o que se passa “que está triste, frustrado…” em vez de ignorar.

Para Apoiar este projeto e próximo país – Japão em Julho 2017 – pode fazê-lo através do email Maria.palha@gmail.com[:]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *