[:en]Kids@Minca: How to Promote sense of Freedom in the olders and Spontaneity on the youngers[:pt]Kids@Minca: Como promover a liberdade dos mais velhos e expontaneidade dos mais novos lá em casa? [:]

[:en]Coguis are an Amerindian tribe living in northern Sierra Nevada in Colombia. There are about 10,000 people in this region. They speak their own language, customs and ideas. Their practices are based on the belief that the Earth is a living being and that Humanity has two brothers: the big brothers (themselves) and the smaller brothers (us, the common people). We are described as “stunted children” who must learn to live Humanity.

Evan with no scientific basis, this was the reason I was dreaming to arrive in Sierra Nevada and interview Cogui children. I wanted to ask them for their tips on how to improve our interaction with the Earth. I just didn´t plan that Minca and Macondo could change my plans.

In the last before I spoke about the importance of connection with nature to the Family emotional health. Today I focus on freedom.

In fact, freedom began to gain ground before reaching Minca. When I “stumbled” with Macondo.

Macondo is a village with about 300 people in the city of Aracataca, where Gabriel Garcia Marquez lived his childhood and used as the setting for the novel “One Hundred Years of Solitude”.

The novel begins with the isolation and destruction of this village, and the Buendia family and its generations are the ones to take responsibility in the prosperous development of the region and its personal liberation. Coincidentally (or not) at this point I already suspected that freedom and solitude could go hand in hand, but it was in Minca that I realized the depth of the issue.

Minca is a place of free souls. I felt it immediately when I arrived. Maybe Pablo’s violoncello helped, but the location at 600 meters high, the rustic houses in tighty streets and the about 300 species of birds that fly over Santa Marta certainly contributed.

 

Pablo is Uruguayan of 28 years old. About 6 years ago he left the country of origin arguing “I just want to play the cello and make more music.” And it was in the streets of Minca, sitted on the folding wooden bench (which he made 10 stops before) that he played. I saw him playing with his curly hair and eyes on the horizon. He shared that playing an Italian instrument on an American continent was rare, and this was the reason he wanted to know more, better techniques and inspire people through music. Only when his family (tired of seeing him without encouragement), encouraged him, that he had risked. He began slowly, shaping his desire, transforming doubts into strengths and insecurities into music. During this process he was afraid of not being accepted by the community, with doubts if he would be good enough, with the feeling of being alone, without people of reference around them. Assuming his difference brought him a big sense of freedom, and only with the support of his family, the first social institution he met, was possible.

Pablo showed me that freedom, begins with the family and can walk along with loneliness when it is not well “cooked”.

Being free depends not only on the obvious, externally (prison …), but above all, internally processes (Fears, social pressures … etc) hence spontaneity is one of the main mediators between what is inside and what comes outside.

He hinted that being afraid to fail is part of the process, but it is not the end of it.

And it was in this reflexion that he took me to know Sónia and her project.

 

Sónia is the creator of a hippy community. She decided to create it years before because she believed that freedom comes from knowing how to live with others (only in this way we manage to practice spontaneity) and to manage our own time: “before having this community I had a motorcycle business that I had to have a lot of time discipline “I was always “stuck” on the business. And because it served the public, it could rarely be spontaneous and creative. I earned more and more money, but I didn´t have time to be with whom I loved, I had no time for leisure, and I hardly knew who I was. I felt trapped. So I created a community where I could be myself, more genuine, spontaneous and above all, manage my own time.”

Sónia has 15 different nationalities, more than 15 people: among musicians, artists and nature lovers, each one takes on a role in the group, manages their time and the contribution they want to make. Today that community is known for promoting the best jam sessions, coffee cultures and art exhibitions in the region.

Minca and Macondo, Pablo and Sónia made a significant contribution to today´s topic: freedom.  But it was children’s answer, in the various corners of the world, who showed me the depth:

The question asked was: “What do you hate the most that adults do?”

The answers:

In Colombia: “When they tell me that I have to do things I do not like and I do not understand why.” Emília, 7 years old.

In Brazil: “When I talk and nobody hears me!” Bruno, 6 years old.

In Portugal: “When I’m forced to eat things I do not like … I hate!” Rafael, 7 years

In São Tomé and Príncipe: “When they rape people.” Daisy, 9 years old.

In Sierra Leone: “When they force me to do things and they do not hear that I’m doing my own thing” Bill, 8 years old.

The contribution of young people has shown me that freedom plays a different role depending on phases of human development and “the feeling of losing control of one’s own life” is a focus of malaise that transcends all ages.

In fact, if we look at philosophy, Espinoza argues that to be free is to act according to the very essence, with its nature. Other prespectives focus on the autonomy and spontaneity of the subject. Nelson Mandela adds the dimension of “others.”

According to the happiness report in 2012, one of the most important components in the sense of well-being and personal fulfillment of the Human Being is the feeling of Freedom. The human freedom index of this report shows that the sense of freedom is divided into three areas: “freedom of expression, choice, management of relations”, but time is a transversal role to all of them.

 

At the children´s level, freedom is enhanced by spontaneity, self-esteem, and coping with failure. And since family is the first social institution that children know, it fundamental that these competences are stimulated here.

At the adult level and management of family dynamics, no doubt that time is a matter of disharmony.

Disharmony because if some are faster than others, others can not wait; some because they have more time than others for “their things” and there are still those who do not feel they have time for anything, and that is injurious.

In summary, when it comes to the Freedom in the family dinamic, I approach two dimensions: time management in adults and the development of spontaneity in children.

Studies indicate that mothers feel more responsibility in child upbringing, and they are the ones who feel they have no time for themselves and their things. The studies also show that the Parental Happiness Hole (satisfaction with parenting) changes with the life stage of the family and child dynamics. A family with little external support will be more affected by the illness of a small one, than another with the support, for example.

To reduce this gap, several countries are creating responses. In Denmark, for example, one of the answers was the “grandparent loan” program where older people enroll to adopt a family and support their logistical issues. After all, if a couple can do a good job, imagine 4 couples. In Japan they adopted shirin-yoku, “a forest bath”. The Japanese proposal is that from time to time, families get lost in nature and use their senses, according to them, the experience will strengthen ties and sense of belonging, ability to risk and throw. In Bogota, Colombia, the measure adopted was the “closure of the streets on Sundays” so that everyone can enjoy free time with the family using the cycle route.

According to Meik Viking, the Portuguese have much satisfaction with parenting. In Portugal there is a balance between working time, leisure time and the costs of child support services.

This is why I leave some tips for adults to free time, which will bring more sense of freedom in the daily routine and then some tips to train future adults more spontaneous, less fear of loneliness, more able to express their opinions and feel more and better on your skin, freer.

For Parents:

  1. Have a physical practice that includes socialization. Will make 2 in one. You can be with a friend and include exercise in your life.
  2. Make the most of the downtime. Two minutes here, five minutes there, can be used to do small things. I always use to do some research. But Meik Wiking uses it with an application to learn Spanish.
  3. If you travel by public transport, take the opportunity to read a book
  4. Cook more than you need. Have more food made, allow you to maintain a healthy diet and have free day endings.
  5. Focus on and avoid what Meik Wiking calls “blood sucks of time” such as social networking or mobile games. By avoiding them, you will spend more time communicating with your family, improving your interactions with everyone, and consequently your sense of belonging.

 

To include in the education of kids and promote their sense of freedom:

  1. Include the practice of acts of kindness: A ritual of visiting an institution and progressively adding actions such as helping those who need it, giving a compliment to someone, talking to a shy or isolated person.
  2. Promote empathy: “what will the person X or Y feel now?” Can be made in the game.
  3. Greet the people we meet with every day.
  4. Smile for strangers
  5. Promote trust in the child. Yes, I know it is not always easy, we tend to think that we know what is best for the little ones, so listen patiently, show curiosity and convey encouragement so that he / she can do things for you and develop your sense of “To be unique” without social pressures.

6. Show unconditional support for the child’s choices. One of the biggest issues of freedom, which can lead to the feeling of loneliness and the lack of support and understanding of parents.[:pt]Os Coguis são uma tribo ameríndia residente no norte de Serra Nevada na Colômbia. São cerca de 10 mil pessoas. Falam a sua língua, têm costumes e ideias próprias. As suas práticas baseiam-se na crença de que a Terra é um ser vivo e de que a Humanidade tem dois irmãos: os irmãos maiores (eles próprios) e os irmãos menores (nós, os comuns mortais). Os segundos, são descritos como “crianças asneirentas” que precisam aprender a viver Humanidade.

Com o sem base cientifica, esta era a razão que me levava sonhar em chegar a Serra Nevada para entrevistar crianças coguis e pedir as suas dicas para melhorarmos a interação com a Terra. Apenas não planeei que Minca e Macondo, mudassem não só os meus planos, como o tema da crónica de hoje.

Na última crónica falei da importância da ligação com a natureza para a saúde emocional da família. Hoje foco-me na liberdade.

Na verdade, a liberdade começou a ganhar corpo antes de chegar a Minca. Quando “tropeçei” com Macondo.
Macondo é uma vila com cerca de 300 pessoas na cidade da Aracataca, onde Gabriel Garcia Marquez viveu a sua infância e usou como cenário para o romance “Cem anos de Solidão”.
Este romance é marcado pelo isolamento e destruição da vila e, são as gerações da família Buendia que se vêm obrigadas a assumir um papel ativo no desenvolvimento próspero da região e da sua libertação pessoal. Coincidentemente (ou não) a esta altura já desconfiava que liberdade e solidão podiam caminhar juntas, mas foi em Minca que me apercebi da profundidade da coisa.

Minca é um lugar de almas livres. Senti-o imediatamente quando cheguei. Talvez o violoncelo de Pablo tenha ajudado, mas a localizaçõa a 600 metros de altitude, as casas rústicas em ruínhas apertadas e as cerca de 300 espécies de pássaros que sobrevoam a vista para Santa Marta, decerto contribuíram.

Pablo mostrou-me que a liberdade, começa com o “dedo” da família e pode caminhar junto com a solidão quando não é bem “cozinhada”. Ser livre depende não só do óbvio, externamente (prisão…), mas acima de tudo, de processo internos (Medos, pressões sociais..etc) daí que a expontaneidade seja uma das principais mediadoras entre o que está dentro e o que sai para fora.

Deu a entender que ter medo de falhar faz parte do processo, mas não é o fim do mesmo.
E foi nesta refelxão que ele que me levou a conhecer Sónia e o seu projeto.

Sónia é a criadora de uma comunidade. Decidiu cria-la anos antes, por acreditar que para ser livre é essencial viver saber viver com os outros, só assim se treina a expontaneirdade  poder gerir o próprio tempo: “antes de ter esta comunidade tinha um negócio de motas que me obrigada a ter muita disciplina de tempo. Tinha sempre a sensação que estava “presa” ao negócio. E como prestava um serviço ao público, raramente podia ser expontanea e criativa. Ganhava cada vez mais dinheiro, mas não tinha tempo para estar com quem mais gostava, não tinha tempo para lazer e já quase não sabia quem era. Sentia-me presa. Por isso criei uma comunidade onde pudesse ser mais eu, ser mais genuina, expontanea e acima de tudo, conseguir gerir o meu tempo. Já que para mim, isso me ajuda a sentir livre”.
Sónia tem com ela 15 nacionalidades diferentes, mais de 15 pessoas: entre músicos, artistas e amantes de natureza, cada um assume um papel no grupo, gere o seu tempo e o contributo que quer dar.

Hoje aquela comunidade é conhecida por promover as melhores Jam sessions, culturas de café e ainda exposições de arte, da região.

Minca e Macondo, Pablo e Sónia deram um contributo importante sobre a liberdade, mas foram as respostas das crianças, nos vários cantos do mundo, que me mostraram a sua profundidade:
A Pergunta feita foi: “O que mais odeias que os adultos façam?”
As respostas:
Na Colômbia: “Quando me dizem que tenho que ir fazer coisas que não gosto e não entendo porquê.” Emília, 7 anos.
No Brasil: “Quando eu falo e ninguém me ouve!!” Bruno, 6 anos.
Em Portugal: “Quando me obrigam a comer coisas que não gosto …que odeio!” Rafael, 7 anos
Em São Tomé e Príncipe: “Quando violam pessoas.” Daisy, 9 anos.
Na Serra Leoa: “Quando me obrigam a fazer coisas e não ouvem que estou a fazer as minhas coisas” Bill, 8 anos.


O contributo dos mais novos, veio mostrar que a liberdade tem papel diferente nas várias fases de desenvolvimento humano, e que “ a sensação de perder o controlo da própria Vida” é um foco de mal estar transversal a várias idades.

De facto, se olharmos para a filosofia, Espinoza defende que ser livre é agir de acordo com a própria essência, com a sua natureza. Outras prespetivas focam na autonomia e a espontaneidade do sujeito. Nelson Mandela acrescenta a dimensão dos “outros”.

Segundo o relatório de felicidade de 2012, uma das componentes mais importantes no sentido de bem-estar e realização pessoal do Ser Humano é a sensação de liberdade. O índice de liberdade humana deste relatório, mostra que a sensação de liberdade dos vários povos, está divida em três áreas: “liberdade de expressão, de escolha, de gestão de relações”, mas o tempo tem um papel transversal a todos eles.

Ao nível das crianças a liberdade é reforçada pela espontaneidade, pela autoestima e capacidade de lidar com o fracasso. E neste caso, sendo que a família é a primeira instituição social que a crianças conhece, é importante que estas competências sejam estimuladas aqui. Ao nível do adulto e gestão de dinâmicas familiares, sem dúvida que o tempo é uma questão de desarmonia.

Desarmonia porque, se uns são mais rápidos que outros, outros não podem esperar; uns porque têm mais tempo que outros para “as suas coisas” e ainda há aqueles que não sentem ter tempo para nada,  e isso é injutso.

Resumindo, ao nível de Liberdade na família, abordo duas dimensões:  gestão de tempo nos adultos e o desenvolvimento de espontaneidade nas crianças.
Os estudos indicam que as mães sentem mais responsabilidade na educação dos filhos e, são elas que sentem deixar de ter tempo para si e para as suas coisas. Os estudos tambem mostram que o Fosso de Felicidade Parental (satisfação com a parentalidade) se altera com a  fase de vida da dinâmica familiar e da criança. Uma família com pouco apoio externo ficará mais afetada com a doença de um pequeno, do que outra com apoio de avós, por exemplo.

Para reduzir este fosso, vários países criam respostas. Na Dinamarca, por exemplo, uma das respostas foi o programa de “empréstimo de avós” onde os mais velhos se inscrevem para adotar uma família e apoiar nas questões logísticas da mesma. Afinal se um casal consegue fazer um bom trabalho, imaginem 4 casais. No Japão adotaram o shirin-yoku, “um banho de floresta”. A proposta Japonesa é que de tempos a tempos, as famílias se percam na natureza e usem os seus sentidos, segundo eles, a experiência vai reforçar laços e sentimento de pertença, capacidade de arriscar e arrojar. Em Bogotá, na Colômbia, a medida adotada foi o “fecho das ruas aos domingos” para que todos possam aproveitar o tempo livre em família usando a ciclo via.
Segundo Meik Viking, os Portugueses têm muita satisfação com parentalidade. Em Portugal há um equilíbrio entre o tempo de trabalho, de lazer e os custos de serviços de apoio às crianças.
Por isto deixo algumas dicas para os adultos libertarem tempo, facto que lhes trará mais sentido de liberdade na rotina diária e em seguida algumas dicas para formar futuros adultos mais espontâneos, com menos medo da solidão, com mais capacidade para exporem as suas opiniões e sentirem-se mais e melhor na sua pele, mais livres.

Para Pais:
1. Ter uma prática física que inclui socialização. Fará 2 em um. Pode estar com um amigo/amiga e incluir na sua vida exercício físico.
2. Aproveitar mais os tempos mortos. Dois minutos aqui, 5 ali, podem ser usados para fazer pequenas coisas. Aproveito sempre para fazer algumas pesquisas. Mas o Meik Wiking usa-o com uma aplicação para aprender Espanhol.
3. Se se deslocar de transportes públicos, aproveite para ler um livro
4. Cozinhe mais do que precisa. Ter mais comida feita, permite que mantenha uma alimentação saudável e que tenha finais de dias livres.
5. Focar-se e evitar o que Meik Wiking chama de “sangue sugas de tempo”, como as redes sociais ou os jogos de telemóvel. Evitando-os, dedicará mais tempo a comunicar em família, melhorar as interações com todos e consequentemente o sentido de pertença.

Para incluir na educação dos miúdos e promover o seu sentido de liberdade:
1. Incluir a prática de atos de bondade: Um ritual de visita a uma instituição e progressivamente adicionar ações como ajudar quem precisa, dar um elogio a alguém, conversar com uma pessoa tímida ou isolada.
2. Promover a empatia: “o que será que a pessoa X ou Y está a sentir agora?” pode ser feito em tom de jogo.
3. Cumprimentar as pessoas com quem nos cruzamos todos os dias.
4. Sorrir para estranhos
5. Promover a confiança na criança. Sim, sei que nem sempre é fácil, tendemos a pensar que sabemos o que é melhor para os mais pequenos, por isso ouça com paciência, mostre curiosidade e transmita encorajamento para que ele/ela consiga fazer coisas por si e desenvolva o seu sentido de “ser único” sem pressões sociais.
6. Mostrar apoio incondicional perante as escolhas da criança. Uma das maiores questões da liberdade, que a pode levar à sensação de solidão e de que não se tem o apoio e compreensão dos progenitores.[:]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *