[:en]Zero Tolerance or Divine one, mixed or evan foody tolerance. The important is to be tolerant[:pt]Tolerância Zero ou Tolerância De ponte. Tolerância Divina, mista e até Tolerância alimentar. O Importante é ser Tolerante[:]

[:en]

I was heavear. With a full heart. Maybe because I woke up that morning hearing the heart mantra, maybe because I was finally able to catch a beetle before moving on to Kyoto. The last article was about generosity and I shared an activity that can be done with children from 5 -10 years old. Today I travel to Kyoto and the importance of tolerance. Kyoto, evan naming a stringent gas control protocol, is a very relaxed city. Her story required to be a city essentially tolerant. Tolerant to changes, to differences, to tourists and lifestyles. It began by being the capital of the empire, later Tokyo stoled her place. That´s why today they call it “Old Capital” and (although for me, Kyoto is more futuristic than ancient) the streets of Machyas – traditional houses before World War II – leave no doubt of its ancient wisdom. The city center is ordered according to Feng Shui, but the peripheral areas do not maintain the same standard, as if from the outset, Kyoto distinguished itself by its rebellion against the lines of traditional cities. Undoubtedly, when we travel we experience changes at various levels. In Japan, my biggest journey is on prejudices. And it was through art that I confronted myself with tolerance and with my Western prejudices. It was still in Tokyo, in the Manga and Animation stores of Akiabara, like the stores of Sonic, Dragon ball or Jay World where i felt again the adrenaline that only the fantastic world can give us. And that we stop using as we grow. These shops, contrary to what one would expect in the West are above all for Adults. It is through the animations of Manga that Japanese apreciate literature. The Books of Tankôbon occupy many shelves of bookstores, and Miyazaki with its Totoro movies is often sold out in cinema. It´s with a lot of color, fantasy and joke that they talk about adult issues approaching themes like science, romance that makes you cry or even ethical dilemmas or life philosophies.

It is inevitable to compare adult Japanese society with Portuguese one. And i wonder when did we learn that having leisure time, humor and flexibility (also in the physical level), was children´s issues and would compromise responsibilities of grown up people. Why being an adult seems to require a serious, heavy, bullying, and undoubtedly “knowing everything about everything” posture?

The art in Kyoto also led me to think about the womens role in general. In the streets of Kyoto there are still Geishas, ​​many Geishas. And if there is something they are not, it is the equivalent of the prostitutes of the West, as the bad western languages ​​say. Geisha is woman passionate about art: an excellent student of Japanese art, song and dance. Distinguished at a distance, by her costume, delicacy and status, the Geisha is someone who knows much about the culture of her country, an artisan. Often the Japanese themselves use their services, for that reason, to know more about their cultural roots. Being a Geisha is a life option that should be made early, when the young woman (around the age of 17) decide to join the Geisha school, and for that, she should have a savings account to pay for the school fees, the meetings with older Geishas, ​​and buy her first kimono. All this In order to be able to dedicate her self to the entertainment life. Some geishas even earn up to 5000euros / apparition. But this is just one way of life.

Another way of life is the familly path. The Japanese women who go through family life. And unlike Western stereotypes, the woman who decides to devote herself to a family project is not submissive or self-reliant. In fact, the figures show that about 64% of Japanese women work, even on a part-time basis. Modesty and her self-sufficiency are something highly valued in this culture. Self-reliance, because the “Needy” woman is seen as a burden to others. Modesty and description will help to have a better sense of opportunity in relationship with others.

 

 

The family woman is someone who has enormous family and social power. The “koiko mama” – the mother who is responsible for the family budget, for ensuring that everyone is well and yet, that children perform well in school – is what they are commonly called. Besides that is someone who should contribute to the community life the neighborhood and therefore, volunteer for such. As Marta, a Portuguese friend married to a Japanese monk told me, “Perhaps here the great difference between the Japanese housewife and the Portuguese Housekeeper is the fact that there is an almost official and very great recognition when the woman makes the choice to be a house wife.

And as I look at the streets of Kyoto, I realize how many tourists women are passing by. I would say its the third big group in the city and undoubtedly, with a huge miscellany of languages, ages, cultures, families, cameras and life choices.

Some take unpaid leave to travel, other change their way of life, other even bring their children to show them the “World” and even those who save money to travel, even if only once a year: “For me, the most important thing is to see the world; change your perspective and feel that there are many ways to live, grow and feel, “said Anne, a 40-year-old traveler.

These realities are just a few that intersect in Kyoto. People who cross daily on city streets, in supermarkets or public transport, and at the end of the day sleep with a clear conscience. If there is anything that Japanese society is not, it is moralistic or judgemental.

Tolerance is a fundamental attitude for those who live in society. A tolerant person accepts opinions or behaviors different from those established by his social environment, without judgments or moralities.

What about Portugal? are we tolerant?

How do we know if someone is different from us? It is the question I ask the children in order to understand what they feel about tolerance and what kind of tips on respect they can give us.

The 8-year-old Diogo replied “It’s by the look. But if they are twins, by the posture”. The five-year-old Daniel said: “because we have different things in the body … but I do not understand much of that part … Then added” But I think we can, show respect, by making agreements. ”

Miguel, 6, said it was for the flavors “Some people like the other and this one may like or dislike the first”.

In Japan, 8-year-old YeChan and 5-year-old ShizukoChan, 6-year-old Yuki and 7-year-old Caiu did not know how to answer this question. Only 7-year-old YuChan told me she should be … like her and her twin sister. Her sister is very good at ballet and she’s just a chopstick expert.

And only 15 interviews later I understood why only Yo had been able to answer “If you ask me what we have in common, it’s easier, but if it’s different … I do not know …” she told me.

Sohei, a painter friend also explained to me, what I now understand as the basis of tolerance: “If I focus in the differences of who is in front of me, i will distance myself from him/her, if on the other hand, I try to identify what we have in common, I finally come to the point that we are human, with the same fears, the same acceptance need , to feel safe, with the same desire to be happy and afraid of not being able to, and because we are the same species, it is worth looking at him/her in an unique way and putting into practice my responsibility to respect that person “.

According to the study  published by Jornal Público in 2016, Portugal was the third country in Europe that was most opposed to welcoming immigrants. Even though we know that about 1.2 million people seek protection in Europe (number higher than in World War II). Even if cultural tolerance is one of the values ​​of Portuguese Democracy.

I admit i was shocked and I also believe that we must be more and more tolerant towards difference, less moralistic in general, and that tolerance, empathy and compassion are the keys to ending wars in the generation of our children.

So I leave you one activity that can promote tolerance in your children.

1. Picking up magazines or old newspapers from home, the child must choose images (parts that constitute a face, nose, mouth …) to cut and build a face. Then they should choose the images they like best and use them to make a mask through collages on a sheet that will serve as portraits.

 2. Do a multi-cultural dinner and serenade: Choose a continent and then a country, decorate the house with elements of that country, make a food that represents it and show the child how to play (eg Asia: mount a TiPi, and to dinner show how you eat with chopsticks, for example). I can also take the opportunity to suggest adult to practice his tolerance at home and to tolerate the “today we eat as we want” day the meal is chosen by the children and the way they eat as well (by hand, at the table without dishes … yes, sorry for the mess! !)

3. As a family, everyone must identify the differente and simillar characteristics of each one and say why each is important to the group.

 [:pt] 

Saía mais pesada. De coração Cheio. Talvez pelos cânticos do mantra do coração que me acordaram naquela manhã, talvez por ter conseguido finalmente apanhar um escaravelho antes de seguir para Quioto. No último artigo falei da generosidade e partilhei uma atividade que pode ser feita com crianças dos 5 -10anos. Hoje viajo por Quioto e pela importância da tolerância.

Quioto, embora tenha dado nome a um rigoroso protocolo de controlo de gases, é uma cidade bastante descontraída. A sua história exigiu-lhe ser uma cidade, essencialmente tolerante. Tolerante a mudança, a diferenças, a turistas e estilos de vida. Começou por ser a capital do império, mais tarde Tóquio roubou-lhe o lugar. E por isso hoje chamam-lhe “Antiga Capital” e (embora para mim, Quioto tenha mais de futurista do que de antigo) as ruas de Machyas – casas tradicionais anteriores à II guerra mundial – não deixam dúvidas da sua sapiência antiga.

O centro da cidade está ordenado segundo as linhas de Feng Shui, mas as áreas periféricas, não mantém padrão do centro. Como se desde início, Quioto se distinguisse pela sua rebeldia em relação às linhas das cidades que seguiam a tradição. Sem dúvida que ao longo de uma viagem, vivemos mudanças a vários níveis. No Japão, a maior viagem de todas é ao nível de reformulação de preconceitos. E foi através da arte que me confrontei com a tolerância e com os meus preconceitos ocidentais. Foi nas lojas de Manga e Animação de Akiabara ainda em Tókio, como as lojas do Sonic, do Dragon ball ou do Jay World que voltei a sentir aquela adrenalina que só o mundo fantástico nos pode dar. E que deixamos de usar à medida que crescemos. Estas lojas, ao contrário do que se esperaria no Ocidente são, acima de tudo para Adultos. É através das animações de Manga que se vive e consome a literatura Japonesa. Os Livros de Tankôbon ocupam muitas das prateleiras das livrarias, e o Miyazaki não pára de esgotar as salas de cinema, com os seus filmes de Totoro. É com muita cor, fantasia e brincadeira que se fala de assuntos de adultos, e se abordam temas que vão desde a ficção cientifica, a romance que fazem chorar ou até mesmo dilemas éticos, filosofias de vida.

É inevitável comparar a sociedade Japonesa adulta, com a sociedade Portuguesa. Em que momento é que deixamos de ter momento de lazer, humor e flexibilidade (também falo da física), em prole das responsabilidades de gente grande. Como se ser adulto exigisse uma postura corporal séria, pesada, barriguda e sem dúvida “saber tudo sobre tudo”?

A arte levou-me também a pensar ao nível do papel das mulheres, pois, nas ruas de Quioto ainda se veem Gueixas, muitas Gueixas.

E se há coisa que não são, é o equivalente às prostitutas do ocidente, como dizem as más línguas ocidentais. A Gueixa é uma apaixonada por arte: estudante exemplar de arte, canto e dança milenar Japonesa. Identificáveis à distância, pelo seu traje, delicadeza e estatuto, a Gueixa é alguém que conhece muito da cultura do seu país, uma artesã. Muitas vezes os próprios Japoneses recorrem aos seus serviços, por isso mesmo, para conhecer mais das suas raízes culturais.

Ser Gueixa é uam opção de vida que deve ser feita desde cedo, quando a jovem meninda (por volta dos 17 anos) deve decidir integrar a escola das Gueixas, e para isso, deve ter uma conta poupança para as propinas, para pagar os encontros com Gueixas mais velhas, e comprar o primeiro quimono. Para assim se conseguir dedicar à vida de entretenimento. Algumas gueixas chegam a ganhar até 5000euros/aparição. Mas este é apenas mais um caminho de vida. Outro caminho de vida, são as mulheres Japonesas que enveredam pela vida familiar. E ao contrário dos estereótipos ocidentais, a mulher que decide dedicar-se a um projeto de família, não é submissa ou isenta de auto-determinação. De facto, os números mostram que cerca de 64% das mulheres Japonesas trabalham, nem que seja em tempo parcial. A modéstia, primeiro nas conversas com as suas amigas, e a sua autossuficiência são algo muito valorizado nesta cultura. Autossuficiência, porque a mulher “Needy” é vista como um fardo para os outros. A modéstia, pois, a descrição ajudará a ter um melhor sentido de oportunidade na relação com os outros.

A mulher de família é alguém que tem um enorme poder familiar e social. A “koiko mama” – a mãe que é responsável pelo orçamento da família, por garantir que todos estão bem e ainda, que as crianças têm um excelente desempenho na escola. Para alem de que é alguém que deve contribuir para a vida comunitária do seu bairro e por isso, voluntariar-se para tal. Como me disse a Marta, uma amiga Portuguesa, casada com um monge Japonês, “Talvez aqui a grande diferença entre a Dona de Casa japonesa e Dona de Casa Portuguesa” seja o facto de cá, haver um reconhecimento quase oficial e muito grande, quando a mulher faz a escolha de ser uma mulher de família”. Depois há as turistas. Em Quioto, há muitos turistas.

E ao olhar para as ruas de Quioto, apercebo-me da quantidade de mulheres turistas que por cá passam. Sem dúvida, com uma enorme miscelânea de línguas, idades, culturas, famílias, máquinas fotográficas e escolhas de vida. Algumas tirarem licenças sem vencimento para viajar, outras em mudança de trajeto de vida, outras mesmo com filhos para lhes mostrar o “Mundo” e até aquelas que se dedicam a juntar dinheiro para conseguir viajar, nem que seja apenas uma vez por ano.

“Para mim o mais importante, é conseguir ver o mundo; mudar de perspetiva e sentir que há muitas formas de viver, crescer e sentir”, dizia-me a Anne, viajante de 40 anos. Estas realidades são apenas algumas que se cruzam em Quioto. Pessoas que se cruzam diariamente nas ruas da cidade, nos supermercados ou transportes públicos, e que final do dia dormem de consciência tranquila. Pois, se há coisa que a sociedade Japonesa não é, é moralista.

A tolerância é uma atitude fundamental para quem vive em sociedade. Uma pessoa tolerante aceita opinião ou comportamentos diferentes daqueles estabelecidos pelo seu meio social, sem julgamentos ou moralismos. E nós por cá, somos tolerantes? Como sabemos que alguém é diferente de nós? É a Pergunta que faço às crianças de modo a entender o que sentem em relação à tolerância e que dicas de respeito pelo outro nos dão. O Diogo de 8 anos respondeu “é pelo aspeto e se forem gémeos, pela postura”. O Daniel de 5 anos: “porque temos coisas diferentes no corpo…só que eu não percebo muito dessa parte… Depois acrescentou “Mas julgo que podemos, mostrar respeito, fazendo acordos”.

O Miguel de 6 anos, disse que era pelos sabores “Algumas pessoas gostam da outra e essa outra pode gostar ou não gostar da primeira”. Já no Japão, a YeChan de 8 anos, e a ShizukoChande 5 anos, o Yuki de 6 e Caio de 7 anos, não souberam responder a esta pergunta. Apenas a YuChan, de 7 anos, disse-me que devia ser…por exemplo como ela e a sua gémea, a irmã é muito boa em ballet e ela é apenas uma especialista em manejar “chopsticks”.

E só 15 entrevistas depois entendi porque só a Yo tinha conseguido responder “Se me perguntares o que temos de semelhante, é mais fácil, mas se for de diferente…não sei…disse-me ela. O Sohei, um amigo pintor tambem me explicou, o que hoje entendo como a base da tolerância: “se me foco na diferença de quem está á minha frente, tendo a distanciar-me dela, se por outro lado, tento identificar o que temos em comum, em última instância chego à permissa de que somos humanos, com os mesmos medos, a mesma necessidade de ser aceites, sentir segurança, com a mesma vontade de ser feliz ou medo de não conseguir, e por isto, porque somos da mesma especie, vale a pena olha-la de forma única e pôr em prática a minha responsabilidade de a respeitar”.

Segundo o estudo o jornal Público, em 2016 Portugal era o terceiro país da Europa que mais se opunha a acolher imigrantes. Mesmo sabendo que cerca de 1,2 milhões de pessoas procuram proteção na Europa (um número mais alto do que na Segunda Guerra Mundial). Mesmo que a tolerância cultural seja um dos valores da Democracia Portuguesa. Por esta razão, porque acredito que devemos ser mais e mais tolerantes à diferença, menos moralistas em geral, e que a tolerância, empatia e compaixão, são as chaves para acabar com as guerras na geração dos nossos filhos, deixo-vos uma atividade de como a podemos promover lá em casa com os miúdos:

1. Pegando nas revistas ou jornais velhos lá de casa, a criança deve escolher imagens (partes que constituem uma cara, nariz, boca…) para recortar e construir uma cara. Em seguida devem escolher as imagens que mais gostam e usá-las para fazer uma máscara através de colagens numa folha que servirá de porta retratos.

2. Fazer um serão e jantar multi-cultural: Escolha um continente e depois um país, decore a casa com elementos desse país, faça uma comida que o represente e mostre á criança como se brinca (ex. Ásia: monte um TiPi, e ao jantar mostre como se come com pauzinhos, por exemplo). Tambem posso aproveitar para sugerir ao adulto lá de casa tolerar o dia do “hoje comemos como nós quisermos” a refeição é escolhida pelas crianças e comida como elas quiserem (à mão, na mesa sem pratos… – sim, desculpem a bagunça!!)

3. Em família, todos devem identificar as características diferentes de cada um e porque é que cada uma é importante para o grupo.

Link para ler o artigo na revista Visão[:]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *